1 de maio de 2010

Da série “8 lições para ser feliz”: Expectativa

Por Marcos Lodi

Essa é uma das lições mais importantes. Ela é de uso e impacto individuais. Se você cria expectativa, prepare-se para supri-la. Caso não consiga, os danos poderão ser irreparáveis na sua vida.

No ambiente de trabalho, por exemplo, isso é muito comum. Quantos são aqueles que chegam num determinado setor ou empresa e geram milhares de expectativas na entrevista de emprego. Tudo para conseguir a vaga. Após o êxito vem a decepção. Acabam não contextualizando o dia a dia com o que apresentaram, terminando pelo rompimento da relação de trabalho.

E isso não é destinado somente ao campo profissional. Muitos namoros, noivados e casamentos nascem e chegam ao fim dessa forma. Quando ocorre a primeira troca de olhares, o coração bate mais forte. Tudo é lindo e o sol é reluzente. Porém, basta que o tempo passe e as expectativas não se concretizem e pronto: Nuvens enfadonhas e monótonas assombram o céu do casal, gerando conflitos, muitas vezes, jamais resolvidos.

Você pode me perguntar: Mas onde surge a expectativa? Ai está a chave do problema. Essa impressão causada pelo próximo é originada pela força da palavra. Você só cria uma imagem concreta do que realmente é pelas palavras que pronuncia. Basta dizer algo que agrade e será enobrecido. Mas cuide-se, pois o que prometer terá de cumprir ou será rejeitado.

Muitas relações começam fortemente e vão perdendo a solidez. Ninguém consegue manter aquilo que não é por muito tempo. Não adianta. Melhor assumir-se, reciclar o pensamento e começar de novo. A vida consiste em renascer. Senão para que existiriam os problemas?

Por isso pare de gerar impressões passageiras e muito cuidado com a expectativa criada. Tenha prudência ao se apresentar, afinal o silêncio não pode ser mal interpretado. Deixe que as pessoas criem suas próprias conclusões sobre você. O que é sólido resiste. O ilusório é apenas um esconderijo de si mesmo.

6 comentários:

  1. Oiiiii.Sinto mas vou discordar de voce.O Silecio pode ser mal interpretado sim.Pense.Se vou a uma entrevista de trabalho e entro mudo e saio calado,vão pensar que não tenho iniciativa.O que se deve fazer,é sempre ser a gente mesmo,pois ai não vai haver julgamentos de atitudes que não fecham com o que foi falado ou mostrado.O importante é marcar presença com todas nossas singularidades,nossos objetivos e com nossa verdade.Beijosss

    simonert

    ResponderExcluir
  2. Belo texto, muito legal mesmo!!!

    ResponderExcluir
  3. Somente o que é sólido resiste, Maravilhoso....Como sempre seus textos são incríveis Marcos Parabéns

    ResponderExcluir
  4. Minha amiga Simone...

    Prazer em ler seu comentário assim como de todas as pessoas que participam. No seu caso em particular como citou uma passagem do texto, gostaria de relembrar o contexto. A frase foi esta:

    "Tenha prudência ao se apresentar, afinal o silêncio não pode ser mal interpretado."

    Concordo que numa entrevista de emprego não se deve ficar calado, porém observe a frase anterior ..." tenha prudencia ao se apresentar".. Ninguém se apresenta de forma calada correto? Eu sugiro que o silêncio seja uma arma, pois realmente não pode ser mal interpretado. Mas não estou querendo dizer que devemos ficar em silêncio.

    No caso de uma entrevista de emprego, uma colocação mal feita também gera problemas. Por isso defendo o silêncio como estratégia e não algo constante.

    Obrigado pelo comentário e vamos continuar debatendo. Agradeço de coração!

    ResponderExcluir
  5. O texto é simplesmente perfeito. Falo com a mais simples sinceridade e experiencia de vida.

    ResponderExcluir